Acidificando papel

Roger Sassaki/ março 12, 2013/ Fórmulas úteis/ 0 comments

Na busca de papéis para processos históricos, você poderá ter problemas com a reserva alcalina de alguns deles. Esta reserva é geralmente uma quantidade de carbonato de cálcio aplicada na fabricação do papel e tem a função de evitar que o papel fique ácido com o tempo e, assim, aumentar a sua vida.

Alguns fabricantes escrevem claramente na embalagem se há reserva alcalina. Outros não são tão claros, mas se houver a menção de estar de acordo com o ISO9706, então há um mínimo de reserva, como especificado na norma:

A norma ISO 9706, tal como é descrita pela Organização Internacional de Normalização, especifica os critérios de estabilidade do papel nos seguintes termos:
– Força mínima medida em uma prova de resistência à ruptura.
– Quantidade mínima de 2%, medida em termos de reserva alcalina, de substâncias que neutralizem a ação do ácido (por exemplo, o carbonato de cálcio).
– Quantidade máxima, medida por meio do índice Kappa, de produtos facilmente oxidáveis.
– PH máximo e mínimo de um extrato aquoso a frio do papel.

Isso pode ser ótimo, mas para alguns processos, em especial para calótipos, a reserva alcalina interfere na revelação, deixando o papel enegrecido ou super exposto. Cianótipos também são prejudicados pelo carbonato de cálcio. Para adequar o papel ao processo é necessário retirar a reserva alcalina. Para isso, o procedimento é esgotar a reserva com um banho ácido.

Prepare um banho de ácido cítrico à 10% e deixe as folhas mergulhadas por 1-2 horas. Tente manter a temperatura do banho fria para não “atacar” a encolagem. Depois, lave por mais 1 hora com várias trocas de água para neutralizar o pH. Finaliza com alguns enxagues em água deionizada ou destilada. Pendure para secar e depois guarde sob peso.

Banho ácido

Água 20ºC 750 ml
Ácido Cítrico 100 g
Água 20ºC completar para 1000 ml

Fonte: http://www.flickr.com/groups/1384661@N22/discuss/72157624964664307/?search=acidify

Print Friendly, PDF & Email

6 Comments

  1. Demais!

    Mas a verdadeira estória da foto1 foi a seguinte : Em um momento de rara oportunidade Fernando Fortes, Roger Sassaki e Lígia Minami conseguiram captar a breve aparição de um alienígena no laboratório de processos históricos do senac. Tudo o que sabe sobre este ser é que ele surgiu repentinamente das emanações dos raios U.V e penetrou nas camadas de iodeto de prata.
    Este registro certamente ficará arquivado como mais um dos fatos fantásticos na história da fotografia.

    1. Um alienígena que chegou por um portal cósmico intergaláctico… e viva o fantástico na fotografia!!!

  2. Registro raro de alienígenas da/na fotografia.
    Vocês são pessoas especiais e não é a toa que o boneco tenha vindo pelas mãos do mestre.
    Poesia em andamento.
    Fátima Roque

  3. Eu pretendo ter aulas dessa técnica. Sou aquarelista, gosto da luz e sombra quero entrar no processo dos ácidos.
    Podem me informar sobre cursos?
    Grata
    Regina Gulla
    http://www.bosquesonhador.wordpress.com

    1. Olá Regina,

      Veja essa nova turma de calótipo que abrimos: http://www.imagineiro.com.br/fotografia-em-negativo-de-papel-calotipo-com-fernando-fortes-e-roger-sassaki/

      Espero que se interesse!

      Abs!

  4. Eu pretendo ter aulas dessa técnica. Sou aquarelista, gosto da luz e sombra quero entrar no processo dos ácidos.
    Podem me informar sobre cursos?
    Grata
    Regina Gulla

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>
*
*

%d blogueiros gostam disto: