Demonstrando calótipos para os alunos do Senac

Esq: calótipo / Dir: inversão digital; Autoria conjunta de Fernando Fortes, Ligia Minami, Roger Sassaki e do professor Kenji Ota.
Esq: calótipo / Dir: inversão digital;
Autoria conjunta de Fernando Fortes, Ligia Minami, Roger Sassaki e do professor Kenji Ota.

Nos dias 6 e 7/03/2013 nós fomos convidados pelo fotógrafo e professor Kenji Ota a demonstrar a fotografia em calótipo para os seus alunos do 5º semestre do Bacharelado em Fotografia do Senac-SP. Grande honra ser convidado pelo Kenji, um grande artista e mestre consagrado na fotografia! Lá fomos nós, Fernando Fortes, Ligia Minami e eu.

Nós tivemos que fazer duas apresentações, uma para os alunos do período da manhã e outra para os do período noturno. A demonstração incluiu todo o processo de sensibilização do papel, preparação da câmera, captura e revelação. Não deu tempo de encerar o negativo e nem de fazer uma cópia em papel. Para nós, a turma da manhã seria fácil pois fotografaríamos com a luz do sol. Já a noite, não sabíamos muito bem o que aprontar. Mas, como o calótipo sempre nos surpreende, a situação foi bem diferente.

Fernando Fortes explicando a sequência dos banhos químicos
Fernando Fortes explicando a sequência dos banhos químicos

Chegamos dia 6 logo cedo e começamos a preparar novas soluções químicas de iodização e sensibilização (ambas #1 de Alan Greene). Contamos um pouco do contexto histórico dos calótipos e mostramos alguns negativos feitos por nós. Logo sensibilizamos duas folhas de papel e saímos para fazer duas fotos da turma sob um escaldante sol direto, o sucesso era garantido. Mas durante após a revelação, uma surpresa: negativos torrados! 🙁

Esta certo que o Fernando Fortes se empolgou um pouco e revelou por uma meia hora (ao invés do usual 8-15 minutos), mas mesmo assim estava muito estranho. Fomos para casa um pouco decepcionados e pensativos. Como não sou bom pra escrever mistério, já vou falando o que era: Esquecemos de “amaciar” o sensibilizador (banho de prata)! Toda solução nova tem que ser “enfraquecida” com algumas gotas do iodizador. :/

Roger Sassaki ajustando a câmera para um dos calótipos que não saíram.
Roger Sassaki ajustando a câmera para um dos calótipos que não saíram.

Foi assim que começamos o segundo dia de demonstração, consertamos nosso sensibilizador e partimos para fazer uma foto teste. Como era noite, nossa única fonte de luz possível para termos um tempo de exposição razoável (para que terminássemos a foto antes da formatura dos alunos.. ) era utilizar as mesas de luz UV, ítem praticamente obrigatório para quem faz processos fotográficos históricos. Felizmente o Senac tem 3 mesas UV, duas com lâmpadas BL (UV brancas) e uma com lâmpadas BLB (UV azuis).

"set-up" da câmera e duas mesas de luz UV servindo de iluminação.
“set-up” da câmera e duas mesas de luz UV servindo de iluminação.
Primeiro calótipo da noite. Um teste se 15 minutos de exposição para estas luzes iria funcionar. Sim! A mancha branca na perna do boneco indica que nossa "luz de inspeção" de revelação esta velando o negativo. É uma pequena luz vermelha que colocamos por baixo da bandeja de vidro para podermos ver a revelação do negativo.
Primeiro calótipo da noite. Um teste se 15 minutos de exposição para estas luzes iria funcionar. Sim!
A mancha branca na erna do boneco indica que nossa “luz de inspeção” de revelação esta velando o negativo. É uma pequena luz vermelha que colocamos por baixo da bandeja de vidro para podermos ver a revelação do negativo.
Dados do calótipo 1

Fotometria:
não medida
Abertura:
f/4.5
Dist. Focal:
240mm
Tempo de exposição:
15 minutos
Tempo de revelação:
8 minutos
Papel:
Canson Marquer

Com este teste bem sucedido, sensibilizamos mais duas folhas para as fotos “para valer”. Nesta hora, o Kenji Ota estava empolgado montando o cenário com o boneco que encontrou em alguma sala do Senac. Aliás, adoramos o boneco!

"Set up" da segunda foto. O Kenji Ota está lá embaixo do pano fotografando a imagem do despolido.
“Set up” da segunda foto. O Kenji Ota está lá embaixo do pano fotografando a imagem do despolido.
Segundo calótipo da noite. Meu preferido!
Segundo calótipo da noite em inversão digital. Meu preferido!
Dados do calótipo 2

Fotometria:
não medida
Abertura:
f/4.5
Dist. Focal:
240mm
Tempo de exposição:
15 minutos
Tempo de revelação:
8 minutos
Papel:
Canson Marquer
Eu, Roger Sassaki, falando sobre os negativos digitais.
Eu, Roger Sassaki, falando sobre os negativos digitais.

Durante as longas exposições, aproveitamos para explicar um pouco também sobre os negativos digitais, que são imagens impressas em transparência plástica. É um jeito ótimo para transferir imagens editadas no computador para os suportes diversos dos processos históricos como cianótipo, papel salgado e até papel de gelatina de prata. Levamos exemplos dos passos para se escolher a cor base do negativo e de como linearizar o processo. É um método bem interessante e logo mais vai pintar em forma de curso por aqui. 🙂

Terceiro calótipo de noite.
Terceiro calótipo de noite.
Dados do calótipo 3

Fotometria:
não medida
Abertura:
f/4.5
Dist. Focal:
240mm
Tempo de exposição:
25 minutos
Tempo de revelação:
8 minutos
Papel:
Canson Vegetal 90gsm

E assim acabou nossa demonstração de calótipos modernos, já passavam das 22h e poucos alunos resistiram até o final. Ficamos super contentes com o resultado e honrados de construir uma imagem junto com o Kenji Ota.

Queremos agradecer profundamente o convite e a oportunidade dada. Muito obrigado ao Kenji Ota, Fernanda Romero, Patricia Yamamoto e aos assistentes do Senac.

Grande abraço,

Roger Sassaki

— Seguem algumas imagens feitas durante os dois dias:

Print Friendly, PDF & Email

One thought

  1. Demais!

    Mas a verdadeira estória da foto1 foi a seguinte : Em um momento de rara oportunidade Fernando Fortes, Roger Sassaki e Lígia Minami conseguiram captar a breve aparição de um alienígena no laboratório de processos históricos do senac. Tudo o que sabe sobre este ser é que ele surgiu repentinamente das emanações dos raios U.V e penetrou nas camadas de iodeto de prata.
    Este registro certamente ficará arquivado como mais um dos fatos fantásticos na história da fotografia.

  2. Registro raro de alienígenas da/na fotografia.
    Vocês são pessoas especiais e não é a toa que o boneco tenha vindo pelas mãos do mestre.
    Poesia em andamento.
    Fátima Roque

Deixe uma resposta